sexta-feira, 8 de maio de 2009

Campeão do coração. Um dos maiores da F-1



Dia 8 de maio é uma data triste para o automobilismo. A data marca a morte de Gilles Villeneuve (pai de Jacques Villeneuve campeão de F-1 em 1997). Gilles iniciou sua carreira na F-1 na temporada de 1977 no grande prêmio da Inglaterra dirigindo um "terceiro" carro da McLaren que na verdade era um bólido de 1974 (sim, o mesmo com que Fittipaldi ganhou o título) e mesmo com um carro de 3 anos atrás chamou a atenção do circo da F-1 e um contrato com a Ferrari ainda no mesmo ano.


Gilles teve 4 temporadas completas com o time italiano, 78,79,80 e 81. Passou por altos e baixos, tinha um estilo parecido com o de Senna de não se importar com o segundo lugar e tentar vencer sempre, com a consequência de sofrer muitos acidentes. No caso de Gilles era ainda mais grave já que os compostos eram bem menos seguros.





Em 1982 Gilles era o grande favorito ao título, mas ao invés de comemorar seu tão aguardado título (era questão de tempo para que ele conseguisse) o mundo chorou a sua morte em um trágico acidente no treino classificatório.
Gilles não se tornou campeão, ele nasceu um. E será lembrado sempre como um dos maiores pilotos de todos os tempos. Um dos poucos Gentleman's que passaram pela F-1.


Deixem suas homenagens e histórias sobre Gilles Villeneuve!

7 Análises:

Don Corleone 8 de maio de 2009 20:19  

Para aqueles que falaram tanto do arrojo de Senna nessa semana, vale conferir um pouco que seja do Gilles no youtube ou em outros sites. Uma pena que ele não foi campeão. Azar da F1. O vermelho #27 tornou-se mitológico desde sua passagem.

P/ mim, Jarama/1981 foi a melhor prova dele na F1!

Ludy,  8 de maio de 2009 20:26  

Adorei seu texto Análise!! Gilles é inesquecível!!!

bjs, Ludy

johnny lacerda 9 de maio de 2009 00:25  

Redacao nao se esqueca de mudar a pontuacao do Bruno Santos por favor.

Patrícia 9 de maio de 2009 07:56  

Eu sempre me comovo com todos estes pilotos ue morrerem durante o ofício. Muito triste ver alguém assim jovem, bonito, talentoso e com família morrer e forma tão horrível.
Gilles é sempre citado entre os maiores é uma pena morrer antes de conseguir ser campeão.

Beijos

Luiz Fernando,  9 de maio de 2009 09:48  

Giles foi um dos grandes da historia, e isto sem ganhar titulo nenhum. Lembro-me como se fosse hj da disputa espetacular c Arnoux em Dijon. Ele foi um cara q honrou a F1 e a Ferrari, privilegiada de te-lo como piloto.

Anônimo,  11 de maio de 2009 17:18  

e o senhor M.C., escreve: Caro Redação( ainda acho que "falo" com o supersonico Marçal, do Distrito Federal ), fico feliz em ver uma homenagem, para lá de justa, ao fantástico e, por que não ?, "showman" Gilles. Mas compará-lo ao Senna...vai uma imensa distância. O canadense não tinha a concentração necessária para ser um campeão. Don Corleone, que entende, se esqueceu desse pequenino detalhe o qual joga Ayrton ao Olimpo do Deuses da F1 e não leva o Gilles. O que ele errava tentava consertar com bravura com ultrapassagens fantásticas ou aquele festival de Ferrari se despedaçando nas pistas. Achava o máximo ! Hoje, tomaria bandeira preta na certa ! "domesticaram" a F1. O polititicamente correto fla em nome da "segurança". O pouco que Kimi Vodka fez ontem levou reprovação dos bambis globais...E, verdade seja dita, não foi culpado pela morte estúpida que teve. Nem Senna. Então é isso. Adoro Gilles, para sempre mas, para comparar, compararia o canadense ao ingles Mansell. Mesmo assim, o Leão leva vantagem também.

Anônimo,  11 de maio de 2009 17:27  

E M.C., manda: E o vermelho se tornou mitológico muito, muito antes de Gille, Don. Voce se esqueceu do Lauda....Esse, para mim, o maior de todos. Uma verdadeira fênix ! Apesar da minha torcida apaixonada por Piquet pai !

  ©Template by Dicas Blogger.